quinta-feira, 29 de setembro de 2011

0 vale de acor


 lhe darei, dali, as suas vinhas e o vale de Acor por porta de esperança. Oséias 2:15
Foi num domingo de manhã, quando o sol oriental inundava de luz os montes e vales da Palestina, que nós seguimos o acidentado trecho de Jerusalém a Jericó, atravessando partes do deserto da Judéia.
Sob um céu azul, límpido e inclemente, estendiam-se diante de nossos olhos as ondulações de um panorama singular. No trajeto, passamos pela aldeia de Betânia, rica em lembranças de amor e devoção. Essa estrada nos levaria a Jericó e ao Mar Morto, depois de curvas e declives íngremes em meio a uma árida paisagem. Antes, porém, passamos próximo de uma depressão profunda, por onde corre por entre pedras calcárias um riacho de águas cristalinas, em cujas margens, de um e de outro lado, crescem capins e outros arbustos para alimentação dos animais, palmeiras frondosas e outras espécies de árvores. Esse é o Vale de Acor que, na Bíblia, é rico em simbolismos.
A justiça de Deus, bem como Seu perdão para aqueles que se arrependem de seus pecados, encontram um símbolo no Vale de Acor. A ele refere-se a Bíblia três vezes. A primeira vez, quando Acã foi punido pelo seu pecado e ali, naquele vale, ele com toda a sua família foram apedrejados a fim de que a ordem moral de Deus fosse restabelecida (Js 7:20-26). Deparamos com o Vale de Acor pela segunda vez na Bíblia, quando Isaías o apresenta como lugar de refúgio e repouso para o gado, símbolo das providências divinas e uma alegoria da paz e da fartura (Is 65:9, 10). A terceira e última alusão a esse vale encontra-se na profecia de Oséias (Os 2:14, 15), quando ele recebe de volta, para uma vida nova, a esposa infiel que o abandonara, mas que o seu amor a salvou.
O Vale de Acor nos recorda: (1) o pecado, a desobediência e o castigo daqueles que não deram ouvidos às ordens de Deus; (2) a perpétua vigilância e cuidado de Deus sobre Seus filhos; (3) a bem-aventurança para o pecador que, por mais fundo que tenha ido, sempre encontrará uma “porta de esperança” aberta para ele, quando se arrepende.
O Vale de Acor pode estar, hoje, em toda parte inclusive em muitas vidas individualmente. E pode ser que, em nossa experiência cristã, tenhamos que passar pelos três aspectos desse vale para chegar à “porta da esperança”: primeiro, pelo castigo; depois, pelo perdão e as bênçãos; para, finalmente, alcançar a redenção.
REFLEXÃO: “Lá, eu lhe darei de volta os vinhedos e transformarei o Vale da Desgraça em uma Porta de Esperança” (Os 2:15, BV).
 lhe darei, dali, as suas vinhas e o vale de Acor por porta de esperança. Oséias 2:15
  na profecia de Oséias (Os 2:14, 15), quando ele recebe de volta, para uma vida nova, a esposa infiel que o abandonara, mas que o seu amor a salvou.
O Vale de Acor nos recorda: (1) o pecado, a desobediência e o castigo daqueles que não deram ouvidos às ordens de Deus; (2) a perpétua vigilância e cuidado de Deus sobre Seus filhos; (3) a bem-aventurança para o pecador que, por mais fundo que tenha ido, sempre encontrará uma “porta de esperança” aberta para ele, quando se arrepende.
O Vale de Acor pode estar, hoje, em toda parte inclusive em muitas vidas individualmente. E pode ser que, em nossa experiência cristã, tenhamos que passar pelos três aspectos desse vale para chegar à “porta da esperança”: primeiro, pelo castigo; depois, pelo perdão e as bênçãos; para, finalmente, alcançar a redenção.
REFLEXÃO: “Lá, eu lhe darei de volta os vinhedos e transformarei o Vale da Desgraça em uma Porta de Esperança” (Os 2:15, BV).

3 comentários: